Reestruturação da Diretoria Executiva

 

Além da Diretoria Estatutária, a Minerva possui também uma Diretoria não Estatutária. A Diretoria não Estatutária passou por uma primeira reestruturação em 2012 que conferiu mais autonomia aos executivos e mais agilidade para as decisões relacionadas aos negócios. Em 2013, foram feitas novas adequações para que estes processos se tornassem ainda mais eficientes e adequados às demandas do mercado.

As quatro vice-presidências estabelecidas no ano anterior (Internacional, Brasil, Negócios Relacionados e Financeira) foram renomeadas e reorganizadas. O resultado foi a criação de sete Diretorias que se reportam diretamente à presidência. São elas:

A remuneração dos colaboradores não tem relação com o resultado econômico-financeiro da Minerva nem com seu desempenho socioambiental

 

Diretoria Não Estatutária

• Diretoria Executiva de Distribuição

• Diretoria Executiva Operacional Beef

• Diretoria Executiva Comercial Beef

• Diretoria Executiva Administrativa

• Diretoria Executiva Financeira

• Diretoria Executiva de Negócios Relacionados

• Diretoria Jurídica

Esta reestruturação traduz a evolução natural do processo que começou em 2007, quando a Minerva Foods realizou o IPO (Initial Public Offering, primeira oferta pública de ações), intensificando-se neste período a profissionalização da Companhia. (GRI-2.9)

REMUNERAÇÃO

A Companhia adota principalmente a prática de remuneração fixa para seus funcionários, Conselheiros e Diretores Estatutários. Apesar de simples, esta prática de remuneração atende a seu objetivo de atrair e reter profissionais qualificados no mercado, seja pela transparência, seja pelo fato de a sede e a maioria das filiais estarem em cidades do interior onde o custo e a qualidade de vida também são considerados atrativos. A remuneração dos colaboradores não tem relação com o resultado econômico-financeiro da Minerva nem com seu desempenho socioambiental.

O que se percebe como resultado dessa prática é que os empregados e administradores contratados normalmente se mudam com os familiares para essas cidades e trabalham na Companhia por muitos anos, o que permite à Minerva contar com pessoas qualificadas e ao mesmo tempo manter controle sobre os custos com remuneração.

A Companhia tem também um programa de remuneração variável e um plano de opção de compra de ações ordinárias destinado aos diretores estatutários e não estatutários, vicepresidentes e superintendentes, aprovado em 13 de maio de 2013.

O fato de uma parcela relevante da remuneração estar intimamente ligada à geração de resultados, e à performance das ações, pode levar os executivos a conduzir suas atividades com maior foco na geração de resultados no curto prazo.

Atualmente, a Companhia não adota políticas de avaliação de desempenho que estabeleçam mecanismos uniformes para análise de desempenho e consequente atribuição dos benefícios correspondentes em cada nível de performance dos órgãos de sua Administração ou para avaliação do desempenho de seus respectivos integrantes. (GRI 4.5)

Mais detalhes sobre as atribuições dos Conselhos e da Diretoria e os perfis de seus integrantes na aba “Governança Corporativa” do site www.minervafoods. com. (GRI 4.4.)

MELHORES PRÁTICAS

Dentre as práticas recomendadas pelo Código de Melhores Práticas do IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, além das já mencionadas a Companhia adota também as seguintes:

• Capital social da Companhia dividido somente em ações ordinárias, proporcionando direito de voto a todos os acionistas.

• Manutenção e divulgação de registro contendo a quantidade de ações que cada sócio possui, identificando-os nominalmente.

• Obrigatoriedade na oferta de compra de ações que resulte em transferência do controle societário para todos os sócios e não apenas aos detentores do bloco de controle. Todos os acionistas devem ter a opção de vender as suas ações nas mesmas condições. A transferência do controle deve ser feita a preço transparente. No caso de alienação da totalidade do bloco de controle, o adquirente deve dirigir oferta pública a todos os acionistas nas mesmas condições do controlador (tag-along);

• Conselho Fiscal instalado (atualmente na Assembleia Geral realizada em 24 de abril de 2014, durante o período do Relatório, foi instalado na Assembleia Geral realizada em 26 de abril de 2013), conforme previsão do Novo Mercado.

• Clara definição no Estatuto Social (a) da forma de convocação das Assembleias Gerais; e (b) da forma de eleição, destituição e tempo de mandato dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria.

TRANSPARÊNCIA

A principal ferramenta de comunicação da Minerva com seus stakeholders é o site institucional

www.minervafoods.com. Entre os conteúdos adicionados ao portal, há informações detalhadas sobre a dívida da Companhia, apresentações corporativas e análises setoriais atualizadas, além de toda a documentação que deve obrigatoriamente ser publicada de acordo com as normas de Novo Mercado da BM&FBovespa e da Comissão de Valores Mobiliários do Ministério da Fazenda.

Além dessas informações na internet, em contato direto com os investidores a empresa está mais apta a responder às demandas naturais no mercado. Também publica informações não obrigatórias, mas importantes para ampliar o conhecimento que o público tem a respeito dos padrões operacionais, da sustentabilidade e da governança corporativa da Minerva.

Mais detalhes na publicação “Política de Divulgação e Negociação”, disponível no site.

 

• Transparência na divulgação pública do relatório anual da administração.

• Livre acesso às informações e instalações da Companhia pelos membros do Conselho de Administração.

• Resolução de conflitos que possam surgir entre a Companhia, seus acionistas, seus Administradores e membros do Conselho Fiscal, por meio de arbitragem; e

• Assembleia Geral com competência para deliberar sobre: (a) aumento ou redução do capital social e outras reformas do Estatuto Social; (b) eleição ou destituição, a qualquer tempo, de conselheiros de administração e conselheiros fiscais; (c) tomar, anualmente, as contas dos administradores e deliberar sobre as demonstrações financeiras; e (d) transformação, fusão, incorporação, cisão, dissolução e liquidação da sociedade. (GRI-4.4)

Site institucional atualiza análises setoriais e publica documentação obrigatória